Resenha de Livro: Aonde quer que eu vá

Livro: Aonde quer que eu vá 
Autora: Beatriz Cortes
Ano: 2016
Páginas: 318
Editora: Novo Século
Nota: 4 de 5

Eu já resenhei os dois primeiros livros da Bia aqui no blog que eu recebi de parceria diretamente com ela e adorei. Os livros da Bia tem uma sensibilidade incrível e os elementos certos do romance verdadeiro e puro. Este livro em especial me chamou a atenção já que ele foi lançado um pouco antes das Olimpiadas no Rio, e inspirado na difícil superação e esforço dos atletas que praticam ginástica olímpica. Vamos falar do enredo antes? Ester é uma ginasta esforçada que vê seu sonho se realizar ao ser escolhida para representar o país nas Olímpiadas de Sydney 2000. A ginasta se vê dividida entre seus complexos internos, a pressão interna, a posição de estar defendendo um esporte em nome do seu país e os conflitos por estar longe de sua família. Tudo parecia ir bem, até que Ester começa a sentir perturbada e isso causa um erro fatal que a leva de volta pra casa. De volta ao Brasil, a ginasta precisa se reencontrar, superar e se transformar com a ajuda do amor e da família. 

Eu gostei muito do tema que foi abordado nessa história. Não é muito comum encontrar romances que abordem as vidas dos atletas que são muito duras e cheias de treinos sem parar fora a pressão de estar em uma competição mundial para representar o país. A pressão emocional e física é enorme e isso a Bia consegue retratar de uma forma super bem desenvolvida. Ester se sente dividida entre seus sonhos, seus sentimentos, seus pensamentos e todos os esforços colocados para que ela chegasse até ali. Como lidar com toda essa pressão? Dá pra ter uma bela noção de todas as provações que um atleta sofre para poder competir em um evento tão grande como esse. Os capítulos do livro são narrados por três personagens, Ester, Bruno e Isabela. As datas dos capítulos também são alternada pois a história vai se desenvolvendo bem porém em anos diferentes.

Gosto muito do jeito que a Bia desenvolve seus romance, o que é bem diferente de alguns bem famosos. A sensibilidade de colocar pontos bonitos e tocantes que te fazem suspirar é o ponto chave dessa história. Gostei do desenvolvimento, do modo que ela foi elaborada e dos pontos que a autora quis explorar durante os capítulos. A única coisa que me fez tirar uma estrela da história é que alguns pontos me incomodaram durante  a leitura.

O primeiro ponto foi que tudo acontecia rápido demais. Em um momento estava lá conhecendo Bruno em apenas um dia. Depois do acidente de repente ele já estava apaixonado, amando ela e isso ficou meio sem sentido. Tudo bem que existe amor a primeir avista, paixão a primeira vista, mas o modo que aquilo foi inserido dentro da história me incomodou um pouco. Principalmente alguns capítulos do final em que Bruno e Ester estão vivendo suas vidas e já tem uma filha. A forma que a técnica Alexandra se comportava também me incomodou já que em muitas ações eu ficava pensando como aquilo poderia acontecer e no contexto não se encaixava. Eu tinha que me manter focada para entender o que estava acontecendo nesses pontos para não me perder já que tudo acontecia e mudava muito rápido. Isso me incomodou. Imaginei várias formas diferentes que a Bia podia ter conduzido a história para que não ficasse tão corrido. Enfim, essa é uma peculiaridade minha então não há nada mais que posso falar desse livro. Se você quer ler um romance diferente, sensível e tocante com certeza esse aqui é feito pra você. Recomendo.


"Existem muitas formas de vencer. E ganhar uma medalha não é a única!"

"Algumas coisas marcam nossa vida para sempre, e, mesmo que a gente queira muito que elas voltem ao normal, não funciona dessa forma." 

"Olá! Já fizeram os alongamentos?" – Alexandra falou sem nem se dar ao luxo de dizer bom dia. Todas assentiram com a cabeça. "Ótimo! Vamos faze-los novamente então, para eu ter certeza de que fizeram direito." – Alexandra ordenou e eu encarei Isabela, aborrecida.

Não queria olhar novamente para conferir se ele estava ou não vindo até mim, mas, pelo tempo que levava, presumi que havia desistido no meio do caminho. Ouvi um barulho de algo caindo no chão e olhei, curiosa. Vi que ele esbarrara no garçom e derrubara todas as taças da bandeja."Com licença, posso te fazer companhia?" – ouvi uma voz extraordinariamente perfeita sair por entre os lábios daquela criatura linda que sorria para mim. "Oi" – respondi, sem graça. "Se você não derrubar a mesa também, pode." – Sorri. – "Sente-se."

"Uma pressão sobrenatural perfurou meu peito e eu cai, caída aos prantos com as duas mãos no ouvido, gritei. Era só o que eu conseguia fazer. Eu tinha forças somente para isso. Lágrimas e os gritos da minha alma se misturavam. Não era mais eu. O vazio do meu peito havia resolvido por mim."



O sonho da vida de Ester se realizou. A Confederação Brasileira de Ginástica a escolhe como representante nacional nos Jogos Olímpicos em Sydney, 2000. Ester vivencia um paradoxo entre o caos de um campeonato mundial e seu amor incondicional pelo esporte, tendo que vencer seus próprios medos e conflitos longe de sua família. O pior acontece; a ginasta, abalada, volta ao Brasil, onde um reencontro inesperado renova sua esperança. Mas será o amor a força suficiente para mover não apenas seu corpo, mas todo seu coração? Tocante e profundamente sensível, este romance irá te emocionar e te fará enxergar que a felicidade é possível mesmo diante das incompreensíveis surpresas do destino. 







0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.